Sorteio

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Liturgia Diária. Quarta-feira, 17/06/2020

 
DIA 17 – QUARTA-FEIRA
   
11ª SEMANA COMUM
(verde – ofício do dia)
Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo, tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor, não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador! (Sl 26,7.9)
Primeira Leitura: 2 Reis 2,1.6-14

Leitura do segundo livro dos Reis – 1Quando o Senhor quis arrebatar Elias ao céu, num redemoinho, Elias e Eliseu partiram de Guilgal. 6Tendo chegado a Jericó, Elias disse a Eliseu: “Permanece aqui, porque o Senhor me mandou até o Jordão”. E ele respondeu: “Pela vida do Senhor e pela tua, eu não te deixarei”. E partiram os dois juntos. 7Então, cinquenta dos filhos dos profetas os seguiram e ficaram parados, à parte, a certa distância, enquanto eles dois chegaram à beira do Jordão. 8Elias tomou então o seu manto, enrolou-o e bateu com ele nas águas, que se dividiram para os dois lados, de modo que ambos passaram a pé enxuto. 9Depois que passaram, Elias disse a Eliseu: “Pede o que queres que eu te faça antes de ser arrebatado da tua presença”. Eliseu disse: “Que me seja dada uma dupla porção do teu espírito”. 10Elias respondeu: “Tu pedes uma coisa muito difícil. Se me vires quando me arrebatarem da tua presença, isso te será concedido; caso contrário, isso não te será dado”. 11E aconteceu que, enquanto andavam e conversavam, um carro de fogo e cavalos de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoinho. 12Eliseu o via e gritava: “Meu pai, meu pai, carro de Israel e seu condutor!” Depois, não o viu mais. E, tomando as vestes dele, rasgou-as em duas. 13Em seguida, apanhou o manto que Elias tinha deixado cair e, voltando sobre seus passos, estacou à margem do Jordão. 14Tomou então o manto de Elias e bateu com ele nas águas, dizendo: “Onde está agora o Deus de Elias?” E bateu nas águas, que se dividiram para os dois lados, e Eliseu atravessou o rio. – Palavra do Senhor.
Salmo Responsorial: 30(31)

Fortalecei os corações, / vós que ao Senhor vos confiais!
1. Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, / que reservastes para aqueles que vos temem! / Para aqueles que em vós se refugiam, / mostrando, assim, o vosso amor perante os homens. – R.
2. Na proteção de vossa face os defendeis, / bem longe das intrigas dos mortais. / No interior de vossa tenda os escondeis, / protegendo-os contra as línguas maldizentes. – R.
3. Amai o Senhor Deus, seus santos todos, ele guarda com carinho seus fiéis, / mas pune os orgulhosos com rigor. – R.
Evangelho: Mateus 6,1-6.16-18

Aleluia, aleluia, aleluia.
Quem me ama realmente guardará minha Palavra, / e meu Pai o amará, e a ele nós viremos (Jo 14,23). – R.
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus. 2Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. 5Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando tu orares, entra no teu quarto, fecha a porta e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. 16Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que os homens não vejam que tu estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”. – Palavra da salvação.
Reflexão:

Nós, cristãos e cristãs, estamos a serviço de quem? A quem queremos agradar? A Deus ou aos seres humanos? Se praticamos boas obras só para sermos vistos e aplaudidos pelos outros, corremos duplo perigo. Antes de tudo, porque as pessoas podem ignorar nossos feitos. Então, ficamos frustrados e aborrecidos. Depois, mesmo admirando nossas boas obras, as pessoas são incapazes de valorizar-nos suficientemente ou recompensar-nos à altura do que fazemos. Nesse caso, a decepção é profunda. Melhor seguir a estrada indicada por Jesus: pensar e agir, não para receber elogios humanos, mas para oferecer tudo ao Pai, que vê também o que está oculto e conhece as intenções do coração de cada pessoa. Só Deus tem o poder de nos recompensar devidamente.
Oração
Ó Jesus, nosso Mestre, explicas por que nos convém praticar as boas obras, de modo discreto, sem chamar a atenção do público. Ensina-nos, Senhor, a proceder com humildade, para agradar ao Pai celeste, que conhece o nosso íntimo e pode nos recompensar como lhe aprouver. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))
Fonte - https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/dia-17-quarta-feira-13/#.XtjcyMBv_IU

Nenhum comentário:

Postar um comentário