Sorteio

terça-feira, 23 de julho de 2019

A submissão à vontade do Pai é fundamental


Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mateus 12,49).
Jesus formou uma escola de vida, a escola da salvação, a escola na qual o Senhor nos ensina o caminho que perdemos por causa do pecado. Na verdade, o Senhor nos reconduz pelo caminho da vida. E para fazermos parte da escola de Jesus, o que vale não é o título, não é o grau de parentesco que temos, não é a função que ocupamos na igreja, não é o cargo nem a importância que os outros nos dão.
O que é fundamental e essencial na escola de Jesus é a submissão à vontade do Pai, é deixarmos que Ele guie a nossa vontade, porque esta ficou mal inclinada, mal direcionada e nos inclinamos, muitas vezes, para o mal.
Então, podemos ter o título de cristãos, podemos ser parentes do Senhor, amigos de Jesus, mas se não fizermos a vontade do Pai, se não disciplinarmos a vontade d’Ele, não trabalharemos a nossa vontade, não inclinaremos aquilo que temos dentro de nós para que o Reino de Deus aconteça; não somos, de fato, discípulos de Jesus.
O que é fundamental e essencial na escola de Jesus é a submissão à vontade do Pai
Para Jesus, o mais importante não é o grau de parentesco o que fazemos nem a ocupação que temos na casa de Deus. É claro que o trabalho que realizamos, na casa de Deus, é um meio de treinarmos, de nos disciplinarmos, contribuirmos e colaborarmos, mas acontece que, muitas vezes, trabalhamos para Deus, mas não fazemos a vontade d’Ele.
Recebemos títulos de cristãos católicos, da pastoral, do movimento, da comunidade, da paróquia tal, mas não fazemos a vontade do Pai. Por isso, na escola de Jesus, é necessário que meditemos a cada dia, que façamos um exame de consciência sério, profundo e verdadeiro sobre as nossas escolhas de vida, sobre as nossas atitudes e sobre como estamos direcionando a nossa vontade; mais ainda, como estamos deixando Deus direcionar o nosso querer e o nosso realizar.
Precisamos ser treinados, todos os dias, na escola de Jesus. Precisamos treinar, sobretudo, a nossa vontade. E, muitas vezes, precisamos contrariar a nossa vontade, porque ela é cheia de querer próprio, cultivada pelo ódio, pelo nosso orgulho e pela soberba que há em nós.
Essa vontade se inclina para o mal e para o pecado; fazemos o mal, mas depois nos desculpamos: “Eu rezo o terço. Eu comungo todos os dias”. E daí? Nós fazemos a vontade do Pai? Porque é isso que nos caracteriza e nos coloca, de verdade, como discípulos na escola de Jesus.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Hoje na paróquia


Evangelho de hoje, terça-feira, 23/07/2019


Evangelho do dia - Mt 12,46-50
Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. 48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Fixemos os olhos em Jesus

Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: ‘Eu vi o Senhor!’, e contou o que Jesus lhe tinha dito” (João 20,18).
A graça que a Liturgia nos dá para o dia de hoje é a de celebrarmos Santa Maria Madalena. Madalena, como nós assim a chamamos, é a grande discípula de Jesus, o Ressuscitado. Foi a primeira testemunha, foi a primeira que viu, foi a primeira que anunciou e proclamou a ressurreição.
Tem algo que nos chama muito à atenção quando ela disse: “Eu vi o Senhor”. Quando ela se encontrou com o Senhor, enquanto caminhava, foi curada, liberta e transformada por Jesus, e nunca mais seus olhos saíram d’Ele, porque Ele transformou a vida de Maria.
Sabemos que dela foram expulsos demônios. Qual demônio foi é o que menos importa; o que importa é que ela permitiu que Jesus a curasse, a transformasse, renovasse e fizesse dela uma nova mulher.
O que é uma mulher nova senão aquela que coloca, diante dos seus olhos, o Senhor da vida e nunca mais fecha os olhos para a graça? Quando a graça se aproximou de Maria, ela se abriu totalmente para a graça e tornou-se a mulher agraciada por Deus, tornou-se verdadeiramente discípula do Mestre Jesus. Acompanhou o Mestre na vida, na morte e na ressurreição. Ela nunca mais abandonou o Senhor.
Quando Jesus entrou no coração de Maria Madalena, ela O deixou ocupar toda a sua vida, e nunca mais se desocupou, nunca mais retirou a graça de Jesus da vida dela. Como precisamos aprender com Maria a termos os olhos fixos em Jesus!
Nós nos desviamos, perdemos o foco da vida, encontramo-nos em muitas situações que nos deixam agoniados, porque tiramos o nosso olhar de Jesus, voltamos o olhar para os nossos problemas, para as nossas aflições, e começamos a olhar demais a vida dos outros, começamos a olhar só os problemas do mundo e não olhamos para a luz.
Como precisamos aprender com Maria a termos os olhos fixos em Jesus
Houve um momento que parece que essa luz se apagou, porque, quando Jesus morreu na cruz, uma grande escuridão tomou conta de toda a Terra. Mas, mesmo na escuridão, Maria Madalena não deixou de olhar para Jesus. Quando tudo parecia escuro e perdido, quando muitos se encontravam desolados e decepcionados, Maria estava olhando para Ele. Ainda que parecesse morto, do Seu corpo sepultado ela estava lá para cuidar. Como ela jamais tirou os seus olhos de Jesus, os seus olhos foram os primeiros a contemplar o Ressuscitado.
A luz da ressurreição, a luz da glória brilhou sobre os olhos de Maria, por isso ela pode dizer o que disse desde o primeiro momento: “Eu vi o Senhor. Eu O vi sendo pregado na cruz, mas agora O vi ressuscitado”.
Passamos por tantas situações na vida, passamos por situações alegres, boas. Passamos por tristezas, decepções e amarguras. Passamos por noites escuras na alma e no espírito, passamos por trevas, mas não podemos deixar de olhar para Jesus.
Nenhuma escuridão, deste mundo, é capaz de apagar a luz radiante de Jesus da nossa vida quando não tiramos d’Ele o nosso olhar.
Não importa o que estejamos vivendo, não importa as trevas que estejam nos visitando, o importante é não deixar de olhar para Jesus, porque O veremos onde quer que nós estejamos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Hoje na paróquia


Evangelho de hoje, segunda-feira, 22/07/2019


Evangelho do dia - Jo 20,1-2.11-18
1No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2Então saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”.
16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabuni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto de meu Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.
— Palavra da Salvação.
— Graças a Deus!

sábado, 20 de julho de 2019

Evangelho de hoje, domingo, 21/07/2019


Evangelho do dia - Lc 10,38-42
Naquele tempo, 38Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra.
40Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!”
41O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Catequese Bíblico-Missionária
O enfoque das leituras deste domingo é a hospitalidade. No tempo da Bíblia, a hospitalidade e a acolhida, seja de conhecidos ou de desconhecidos, eram praticadas com generosidade. Para o Povo de Deus, a hospitalidade era um dever e não um favor feito para pessoas conhecidas ou parentes próximos. O peregrino tem o direito de ser acolhido e alimentado nas casas do povo. Acolher um hóspede, seja quem for, é uma demonstração do amor ao próximo.
Como lemos na Primeira Leitura, Abraão acolhe em sua casa três homens desconhecidos. O patriarca corre para preparar uma boa refeição, matando até o bezerro novo. Ao acolher assim com generosidade esses desconhecidos, Abraão descobre que recebeu em sua casa o próprio Deus. Em recompensa pela acolhida, Deus anuncia a Abraão e Sara que eles terão um filho.
Nessa mesma proposta está o Salmo de Meditação, que traz um diálogo bonito entre os levitas do templo e os peregrinos que chegam à casa de Deus. O Salmo coloca uma pergunta inquietante: quem está realmente preparado para ser acolhido e hospedado na casa de Deus? Os levitas respondiam: quem anda e vive com integridade. O encontro com Deus na casa dele passa pelo amor ao próximo.
No Evangelho, Jesus se hospeda na casa de uma família. As irmãs Marta e Maria acolhem Jesus. Mas enquanto Marta se ocupa com os afazeres próprios de uma dona de casa, Maria se coloca aos pés de Jesus para ouvir e acolher suas palavras e seus ensinamentos. Marta reclama e pede a Jesus que mande Maria ajudar nos trabalhos domésticos. Jesus diz que Marta se preocupa demais e que Maria escolheu a melhor parte.
Essa resposta de Jesus é um recado importante para as Comunidades cristãs que estavam surgindo nas casas de família. A mulher não está destinada só para os trabalhos domésticos. Esses trabalhos devem ser feitos por todas as pessoas que moram naquela casa. Abraão ajudou Sara a preparar a refeição para os hóspedes. Cabe também à mulher ouvir a Palavra de Jesus e colocar-se a serviço nos trabalhos de evangelização. Essa é a melhor parte que Maria soube escolher.
Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters
Oração
Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
— Amém.
Fonte - https://www.a12.com/reze-no-santuario/deus-conosco