Sorteio

sábado, 15 de dezembro de 2018

Evangelho de hoje, sábado, 15/12/2018


Evangelho do dia - Mt 17,10-13
Ao descerem do monte, 10os discípulos perguntaram a Jesus: “Por que os mestres da Lei dizem que Elias deve vir primeiro?” 11Jesus respondeu: “Elias vem e colocará tudo em ordem. 12Ora, eu vos digo: Elias já veio, mas eles não o reconheceram. Ao contrário, fizeram com ele tudo o que quiseram. Assim também o Filho do Homem será maltratado por eles”. 13Então os discípulos compreenderam que Jesus lhes falava de João Batista. 
— Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

As desculpas nos afastam da presença do Senhor

Não podemos fazer das nossas decepções desculpas para não nos comprometermos com Deus e com Seu Reino
“Veio João, que nem come nem bebe, e dizem: ‘Ele está com um demônio’. Veio o Filho do Homem, que come e bebe e dizem: ‘É um comilão e beberrão, amigo de cobradores de impostos e de pecadores’” (Mateus 11,18).
Os homens da época de Jesus deram diversas desculpas para aceitá-Lo ou não. Não importa a modalidade de vida que estavam vivendo, porque, como Jesus mesmo disse: “Veio João, aquele homem penitente, austero, de vida acética, mas diziam: ‘Ele é um demônio. Esse comportamento dele é estranho’. Veio Jesus, que estava com os pecadores, comiam, visitava as casas das famílias e diziam: ‘É um comilão e beberrão’.
Quando não queremos nos encontrar com a verdade ou quando a verdade nos incomoda, temos qualquer desculpa para fugir do confronto com ela, vamos sempre culpando, criticando, vendo sempre o erro nos outros. A incapacidade que temos de fazer autocrítica, de nos conhecermos de verdade e de nos voltarmos para o nosso interior nos leva a estarmos sempre buscando a culpa e a desculpa nos outros, o problema é sempre o outro. “O problema é aquele padre. O problema é a igreja. O problema são as pessoas da igreja. Eu não vou mais, porque lá está cheio de pessoas falsas”.
Quando não queremos de verdade, quando não queremos nos comprometer, quando não queremos nos conhecer de verdade, não queremos nos entregar para o Reino de Deus ou para os outros compromissos que a vida exige de nós, é mais fácil arrumarmos desculpas e vivermos exaltando essas desculpas e as colocando como as grandes responsáveis pelas decisões que tomamos de nos afastar, de não trabalhar, de não nos comprometermos quando, na realidade, poderíamos parar para buscar a verdadeira saberia que vem de Deus, a qual se encontra nos corações humildes, que reconhecem os seus próprios limites e sabem reconhecer a graça de Deus e onde estão os limites e fraquezas humanas.
Não podemos viver de desculpas para cá ou para lá, não podemos fazer das nossas decepções, das nossas mágoas, dos nossos ressentimentos e rancores culpas e desculpas para não nos comprometermos com Deus e com seu Reino. Ele está no meio de nós, precisamos abraçá-Lo, assumi-Lo, entregar a nossa vida e deixar que Ele cuide de nós e direcione o nosso viver.
Ainda que o humano cause decepções, o nosso humano também causa decepções nos outros. Buscamos corrigir a nossa humanidade a partir d’Aquele que se fez humano por nós para levar a nossa humanidade para junto de Deus. Estejamos com Ele e n’Ele, pois Ele cuida de nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Horário de missas na paróquia


Evangelho de hoje, sexta-feira, 14/12/2018


Evangelho do dia - Mt 11,16-19
Naquele tempo, disse Jesus às multidões: 16“Com quem vou comparar esta geração? São como crianças sentadas nas praças, que gritam para os colegas, dizendo: 17‘Tocamos flauta e vós não dançastes. Entoamos lamentações e vós não batestes no peito!’ 18Veio João, que nem come e nem bebe, e dizem: ‘Ele está com um demônio’. 19Veio o Filho do Homem, que come e bebe e dizem: ‘É um comilão e beberrão, amigo de cobradores de impostos e de pecadores’. Mas a sabedoria foi reconhecida com base em suas obras.” 
— Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Convite - Missa de 7º dia


Nossa pequenez nos torna grandes no coração de Deus

O que nos faz grandes ao coração de Deus é nos tornarmos pequenos e insignificantes
“Em verdade eu vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele” (Mateus 11,11).
A Palavra de Deus, hoje, exalta a figura de João Batista, aquele que batizava. Era muito mais do que aquilo ele fazia além do Jordão, levando as pessoas à conversão, à mudança; ele, na verdade, trazia um batismo de transformação de vida.
João era um convertido, um homem todo de Deus desde o ventre de sua mãe. Ele viveu a graça de ser todo de Deus, santificado ainda no ventre. Por isso, o Evangelho exalta que entre os nascidos de mulher não houve ninguém maior do que João; maior na importância e no profetismo. João é aquele que encerra o profetismo do Antigo Testamento e abre as portas para a profecia do Novo Testamento.
O mesmo Evangelho que o exalta coloca uma outra condição ao nos dizer que o menor no Reino dos Céus é maior do que João. Veja que o Reino dos Céus não é para os grandes, mas para os pequenos.
João era pequeno e se fazia cada vez menor. Ele mesmo dizia a respeito de Jesus: “Convém que Ele cresça, que Ele apareça, que Ele seja exaltado” e que eu desapareça, que eu diminua, porque quem se põe a ser de Deus não se põe para ser grande, o mais importante ou o exaltado, muito pelo contrário, se põe na condição de ser o menor, de ser até aquele que é tido como insignificante, sem importância nenhuma, porque esse é o mais importante no coração de Deus.
Vivemos um tempo em que o sentimento de grandeza, de importância, valorização e exaltação das pessoas tomam conta dos sentimentos humanos porque, muitas vezes, se deixam levar por esse sentimento quando experimentam a depreciação, a crítica, a desvalorização, e caem no vazio existencial, mergulham, muitas vezes, numa depressão, estão com o coração tomado por uma angústia sem nome e sem proporção, porque vivem à mercê da valorização.
O valor que temos está no coração de Deus, e para descobrir o nosso valor precisamos rebaixar o nosso orgulho, a nossa soberba, esse sentimento de grandeza que, muitas vezes, toma conta de nós.
Deus quer que sejamos maiores do que João Batista. Não precisamos pregar mais do que ele nem fazer mais penitências do que ele, não precisamos realizar todas as obras que ele fez, porque ele fez a sua missão.
Podemos realizar a nossa missão, assumir as nossas responsabilidades, mas é essencial a humildade e a pequenez.
Não faça nada com espírito de orgulho e soberba, você pode até pregar o Evangelho no mundo inteiro, mas se o que o motiva é o orgulho, para Deus é depreciativo o que você faz.
O que nos torna grandes ao coração de Deus é nos tornarmos pequenos e insignificantes. Convém que Jesus cresça e que nós sejamos cada vez menores.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Hoje na paróquia