Sorteio

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Evangelho de hoje, segunda-feira, 16/09/2019

Evangelho do dia - Lc 7,1-10
Naquele tempo, 1quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. 2Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito, e que estava doente, à beira da morte. 3O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. 4Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças este favor, 5porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”.
6Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente a teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. 8Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado ‘Faze isto!’, e ele o faz’”.
9Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. 10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde. 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sábado, 14 de setembro de 2019

Evangelho de hoje, domingo, 15/09/2019

Evangelho do dia - Lc 15,1-10
Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus. “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então Jesus contou-lhes esta parábola: 4“Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? 5Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, 6e, chegando em casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’
7Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão. 8E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la? 9Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!’ 10Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”. 11E Jesus continuou.
“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. 14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queira matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o, e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. 25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado”’.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Evangelho de hoje, sábado, 14/09/2019

Evangelho do dia - Jo 3,13-17
Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 13“Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. 14Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 15para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.
16Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor!

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Evangelho de hoje,sexta-feira, 13/09/2019

Evangelho do dia - Lc 6,39-42
Naquele tempo, 39Jesus contou uma parábola aos discípulos: “Pode um cego guiar outro cego? Não cairão os dois num buraco? 40Um discípulo não é maior do que o mestre; todo discípulo bem formado será como o mestre. 41Por que vês tu o cisco no olho do teu irmão, e não percebes a trave que há no teu próprio olho?
42Como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho, quando tu não vês a trave no teu próprio olho? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás enxergar bem para tirar o cisco do olho do teu irmão”. 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Façamos o bem aos nossos inimigos


Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam” (Lucas 6,26-27).
Vivemos na sociedade da vingança, e sabemos que, nesta sociedade, as pessoas procuram revidar aquilo que receberam. Se o outro me fez o mal, eu preciso também fazer o mal a ele, muitas vezes, nem é pelos atos, mas é pelo desejo e pela vontade.
Quantos males estão rondando a nossa cabeça, os nossos sentimentos e afetos, porque são marcas que os outros deixaram em nós, mas não nos desfizemos delas; pelo contrário, nós as alimentamos, cultivamos, deixamos elas crescerem em nós e estamos expostos em nossas emoções, fragilizados por dentro e por fora com mágoas, ressentimentos, rancores e sentimentos de ódio. Isso vai mexendo por dentro, e do nosso inconsciente à nossa consciência estamos soltando vingança.
Quando falamos mal de alguém, é porque aquele alguém nos fez mal. Quando desejamos o mal ao outro, é porque aquele outro, de alguma forma, nos incomoda. Se alguém me incomoda, não me faz bem, se alguém me prejudicou, desejou mal, ou se há pessoas que, realmente, me querem mal, eu preciso dar o que eu tenho de melhor para eles.
A quem não nos quer bem, a quem nos fez o mal e nos prejudicou, nós temos uma resposta: amor de Deus em nossos corações
O melhor que eu tenho é o amor de Deus que está em mim. Eu não tenho inimigos, mas eu tenho certeza que há pessoas que não me querem. O que eu tenho para dar para elas? O meu amor.
O amor tem que ser algo verdadeiro e concreto, porque, inclusive, o amor nos protege e nos fortalece, por isso a Palavra de Deus é ordem: fazer o bem a quem nos odeia. E nós, muitas vezes, temos aquele desejo até de fazer o mal para alguém. Só o fato de falar mal de uma pessoa já estamos fazendo o mal. Nas minhas orações, eu oro por quem não me quer bem, por quem já me prejudicou, por quem me prejudica, apesar de não perder muito tempo com isso.
Precisamos ser concretos em nossa espiritualidade, e a espiritualidade do seguidor de Jesus é a espiritualidade do amor, mas não é um amor reservado às pessoas que estão a nossa volta e com as quais temos afinidade. O amor é para com todos.
É verdade que podemos nutrir afetos muito mais sublimes por quem é mais próximo de nós, mas não podemos negar o nosso amor a outros que não nos amaram, porque o amor de Deus está em nós.
Não é fácil amar, pois o amor é um desafio. No entanto, ele é a maior resposta da nossa fé. Não há fé sem amor, e o amor que não é nutrido pela fé, logo se desanima, torna-se um amor hipócrita, porque a fé injeta em nós o dom do amor aos inimigos. A quem não nos quer bem, a quem nos fez o mal e nos prejudicou, com quem não nos damos bem, nós temos uma resposta: o amor de Deus em nosso coração.
Oremos, rezemos e pratiquemos o amor.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Evangelho de hoje, quinta-feira, 12/09/2019

Evangelho do dia - Lc 6,27-38
Naquele tempo, falou Jesus aos seus discípulos: 27“A vós que me escutais, eu digo: Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, 28bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam. 29Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica.
30Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva. 31O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. 32Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim. 34E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus.
36Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será posta no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”. 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

O Reino dos Céus pertence aos pobres


Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus!” (Lucas 6,20).
O reino deste mundo pertence aos grandes, a quem tem poder e dinheiro. As pessoas estão brigando para fazerem parte do reino deste mundo, e as disputas são grandes em todos os lugares e em todos os campos. Há disputas para se sobressaírem sobre os outros, para serem mais importantes do que os outros, muitas vezes, pisando e massacrando as pessoas, deixando milhões de filhos de Deus na indigência, na pobreza e miséria.
Para onde se volta o olhar de Deus? Jesus está nos mostrando que primeiro é para os pobres. Bem-aventurados os pobres, porque o Reino de Deus pertence a eles.
O Reino de Deus pertence aos pobres deste mundo, porém, não façamos aquela visão de que se trata apenas de uma pobreza espiritual. Deus é o salário do pobre e do indigente, Ele é a graça que preenche o coração deles.
É verdade que, nós que temos algo a mais, algo para comer e temos alguma estabilidade na vida deveríamos ser a presença de Deus na vida dos pobres, porque eles são presença de Deus para nós.
Bem-aventurados os pobres, porque o Reino de Deus pertence a eles
Não dá para olhar para Deus, se não olharmos para os pobres e famintos. E, não podemos cair naquela espiritualidade medíocre de dizer: “Eu também sou pobre”, pois estou me referindo aos pobres entre os mais pobres. São os pobres amados por Santa Teresa de Calcutá, os pobres amados pela irmã Dulce, os pobres amados pela Igreja e por Jesus, os pobres que, muitas vezes, não têm o que comer nem vestir. Os pobres que choram têm onde rirem no Reino dos Céus, assim como Lázaro do Evangelho, que tinha como consolo somente os cachorros para lamber as suas feridas.
A nossa conversão passa por cuidar dos mais pobres. Esse “ai” vem de Jesus: “Ai de vós, ricos. Ai de vós que estais fartos. Ai de vós que rides”. O riso do mundo são as lágrimas dos olhos de Deus. As lágrimas dos olhos de Deus são as desigualdades que cercam o mundo onde nós estamos.
Se queremos ser cada vez mais de Deus, sejamos amigos dos pobres, dos sofredores, daqueles que não têm nada, pois têm somente as migalhas que caem de nossas mesas.
O Reino dos Céus pertence aos pobres; não podemos perder o Reino porque não cuidamos deles. 
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook