Sorteio

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Que possamos enxergar as pessoas como pessoas, e não como coisas

Quem enxerga verdadeiramente no olhar de Deus, precisa realmente enxergar o que é cada coisa
“O homem levantou os olhos e disse: ‘Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam’. Então, Jesus voltou a pôr as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente” (Marcos 8, 24-25).
Hoje, acompanhamos a chegada de Jesus à Betsaida. Ali, algumas pessoas trouxeram para Ele um cego e clamavam para que Ele o curasse. Jesus tocou em suas mãos e, depois de cuspir em seus olhos, pôs as mãos sobre ele, e perguntou: “Agora você está enxergando?”. Aquele homem respondeu: “Estou enxergando homens como se fossem árvores; são homens mas só os enxergo assim, como árvores!”.
Sabemos que a árvore é “coisa”, mesmo que seja da natureza ela é um objeto. Muitas vezes, nós parecemos enxergar, mas não enxergamos devidamente as pessoas e as coisas. Não conseguimos distinguir o que são coisas do que são pessoas, ou seja, as pessoas vemos como coisas; e coisas como pessoas.
Quem enxerga verdadeiramente no olhar de Deus, precisa realmente enxergar o que é cada coisa. Não podemos transformar o ser humano em um objeto de prazer, de valor financeiro; nem enxergar nele os meus interesses, e assim por diante.
Quando não conseguimos olhar para as pessoas com um olhar puro, significa que ainda não fomos curados da nossa cegueira. Quando Jesus tocou naquele homem, ele passou a enxergar, a ver; mas ainda não enxergava de forma correta. Por isso, Jesus precisou mergulhar novamente na graça para tocar nos olhos daquele homem, para que passasse a enxergar claramente.
Deus quer que enxerguemos de maneira clara. Ainda que fisicamente possamos ter alguma deficiência na nossa visão, a interior precisa estar toda iluminada com o olhar da graça. Então, iremos parar de fazer distinção de pessoas, parar de rotular seres humanos; parar de “coisificar” as pessoas, e parar de transformar coisas em pessoas.
O olhar da graça de Deus em nós, dá-nos a graça de vermos cada coisa em seu lugar e a graça de enxergarmos, com clareza, a presença de Deus onde Ele está.
Deus abençoe você!                      
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Vamos rezar e louvar à Maria Santíssima. Você é nosso convidado.


Hoje na paróquia


Evangelho de hoje, quarta-feira, 20/02/2019


Evangelho do dia - Mc 8,22-26
Naquele tempo, 22Jesus e seus discípulos chegaram a Betsaida. Algumas pessoas trouxeram-lhe um cego e pediram a Jesus que tocasse nele. 23Jesus pegou o cego pela mão, levou-o para fora do povoado, cuspiu nos olhos dele, pôs as mãos sobre ele, e perguntou: “Estás vendo alguma coisa?”
24O homem levantou os olhos e disse: “Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam”. 25Então Jesus voltou a por as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado, e enxergava todas as coisas com nitidez. 26Jesus mandou o homem ir para casa, e lhe disse: “Não entres no povoado!” 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Não nos deixemos levedar pelo fermento da hipocrisia

A hipocrisia é a maior tentação que as pessoas religiosas vivem, porque falam de uma religião para todos, mas vivem de forma diferente
“Então Jesus os advertiu: ‘Prestai atenção e tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes’”(Marcos 8,15).
Os discípulos tinham esquecido de levar os pães, e estavam cochichando entre eles o que deveriam fazer. E Jesus prestava atenção neles.
Jesus não chama a atenção deles pelo fato de terem esquecido dos pães, porque todo mundo pode esquecer de alguma coisa, isso é normal. Jesus chama a atenção deles para que fiquem atentos e tenham cuidado para não se contaminarem e serem contagiados pelo fermento dos fariseus e pelo de  Herodes.

O que é o fermentos dos fariseus e o de Herodes?

O fermento que toma conta de um e do outro é a hipocrisia. Eles vivem uma religião de hipócritas, aparentam serem pessoas religiosas e de muita fé, mas, na verdade, são pessoas que vivem uma fé somente de coisas externas.
Não vivamos uma fé como a deles. Uma fé onde demonstramos empolgação; falamos bem de Jesus e das coisas de Deus; pregamos e queremos converter a todos, mas dentro do nosso interior, não cuidamos das coisas fundamentais da vida.
Não nos deixemos levedar pelo fermento da hipocrisia. Porque ela é a maior tentação que as pessoas religiosas vivem. Porque falam de uma religião para todos, mas vivem de forma diferente. Não nos deixemos levar por essa forma de vida religiosa.
É a religião de ontem, mas a de hoje também. Porque, muitas vezes, vivemos um cristianismo hipócrita, fermentado e fomentado na hipocrisia. Vivemos preocupados com a aparência, com o que os outros acham, vêem e pensam de mim, mas não ficamos preocupados em viver uma religião concisa, coerente, autêntica.
Ainda que sejamos recheados de fraquezas, tomemos consciência delas. Não demonstremos aos outros que somos super-heróis da fé, e sim que temos as nossas fraquezas, mas estamos superando-as e lutando com elas em todos os dias da nossa vida.
Não nos deixemos levar pelo fermento dos fariseus e de Herodes, que viviam uma descrença, uma desconfiança, uma falta de fé em Deus e no que Ele podia fazer. Ficavam preocupados com as coisas meramente humanas. Enquanto que, a religião é uma dependência do sagrado, tem dependência da relação com Deus.
Não tiremos a autoridade de Deus e a transfiramos para nós ou para qualquer pessoa. Só Deus é Deus. É Ele quem deve ser amado, adorado, glorificado, exaltado. É Ele quem deve dirigir os nossos corações.   
Deus abençoe você!   
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Hoje na paróquia


Evangelho de hoje, terça-feira, 19/02/2019


Evangelho do dia - Mc 8,14-21
Naquele tempo, 14os discípulos tinham se esquecido de levar pães. Tinham consigo na barca apenas um pão. 15Então Jesus os advertiu: “Prestai atenção e tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”.
16Os discípulos diziam entre si: “É porque não temos pão”. 17Mas Jesus percebeu e perguntou-lhes: “Por que discutis sobre a falta de pão? Ainda não entendeis e nem compreendeis? Vós tendes o coração endurecido? 18Tendo olhos, não vedes, e tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais 19de quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas? Quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?”
Eles responderam: “Doze”. 20Jesus perguntou: E quando reparti sete pães com quatro mil pessoas, quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços? Eles responderam: “Sete”. 21Jesus disse: “E ainda não compreendeis?” 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.