Sorteio

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Hoje na matriz Divino Espírito Santo


Evangelho de hoje, terça-feira, 20/11/2018


Evangelho do dia - Lc 19,1-10
Naquele tempo, 1Jesus tinha entrado em Jericó e estava atravessando a cidade. 2Havia ali um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico. 3Zaqueu procurava ver quem era Jesus, mas não conseguia, por causa da multidão, pois era muito baixo. 4Então ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali. 5Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse: “Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa”. 6Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria. 7Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo: “Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!” 8Zaqueu ficou de pé, e disse ao Senhor: “Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais”.
9Jesus lhe disse: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão. 10Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Comentário
Zaqueu é acolhido por Jesus, que o recebe em sua casa. O olhar e o coração de Jesus estão sempre atentos, por isso o viu no alto da árvore. Quem ama é capaz de enxergar sempre, principalmente quem está à margem da vida. Zaqueu demonstrou a aceitação de Jesus e do Evangelho, repartindo seus bens com os pobres. Quando há verdadeira conversão, há encontro com os mais necessitados.
Dia Nacional da Consciência Negra: façamos nossa história sem discriminações ou divisões.

Oração
Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Fonte -  http://www.a12.com/reze-no-santuario/deus-conosco

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Hoje na matriz Divino Espírito Santo


A fé nos faz enxergar o mundo com o olhar de Deus

Quando a fé nos contagia por inteiro, por dentro e por fora, enxergamos o mundo com o olhar de Deus
“‘Que queres que eu faça por ti?’ O cego respondeu: ‘Senhor, eu quero enxergar de novo’. Jesus disse: ‘Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou’” (Lucas 18, 41-42).
Impressiona-me muito a cura desse cego. Não se trata de um cego de nascença, trata-se de um homem que, um dia, enxergou. E, por situações desconhecidas da vida, ficou cego.
Para quem um dia enxergou e não enxerga mais, a situação se torna muito mais dramática e complicada. Percebemos que, quando os anos vão passando ,a nossa visão fica mais comprometida, já não enxergamos tão bem como como quando jovens. A situação desse homem é que ele ficou realmente cego, mas ele tinha uma luz da fé dentro dele.
Foi movido por essa luz da fé que disseram a ele que Jesus de Nazaré estava passando por ali. Ele correu ao encontro de Jesus e clamou: “Jesus, Filho de Davi, tenha compaixão de mim”. Jesus disse: “O que você quer de mim, meu filho?” Ele respondeu: “Eu quero enxergar de novo”.
Ao longo da vida, vamos perdendo a visão, mas vamos perdendo também a fé. Ao longo do caminhar da vida, vamos perdendo a visão interior a respeito de nós. Ficamos cegos e, também, nos tornamos pessoas egoístas, individualistas, soberbas, orgulhosas e isso cega a nossa visão de mundo. Por isso, não enxergamos tantas coisas importantes para a vida.
O mais ruim é que, quando vamos melhorando de vida, vamos perdendo a nossa ligação com Deus, a nossa dependência com Ele, vamos nos cegando interiormente.
O grito desse cego precisa ser o nosso grito: “Eu quero enxergar de novo!” O nosso clamor pode até ser diferente: “Eu quero enxergar o que até hoje não enxerguei, eu quero enxergar de verdade aquilo que sou, eu quero enxergar quem é o meu irmão, eu quero enxergar a vida, o mundo, eu quero enxergar o Senhor; porque até agora com a visão que tenho, enxergo pouco e mal, ou quase não enxergo”.
É a graça que precisamos pedir: “Abre os nossos olhos, Senhor”.
A fé desse cego fez com que ele recuperasse a vista ou, melhor ainda, que ele tivesse uma vista nova porque ele nunca mais olhou o mundo do mesmo jeito. Parece que quando ele enxergava, não tinha fé, ele enxergava as coisas apenas de forma natural. E, agora, ele pode enxergar o mundo com os olhos de Deus de forma sobrenatural, porque tem fé.
Quando a fé nos contagia por inteiro, por dentro e por fora, enxergamos o mundo com o olhar de Deus.
Que o Senhor abra os nossos olhos e permita-nos enxergar o que até agora não conseguimos enxergar bem, sobretudo, a respeito de nós mesmos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Evangelho de hoje, segunda-feira, 19/11/2018


Evangelho do dia - Lc 18,35-43
35Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. 36Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. 37Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. 38Então o cego gritou: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!” 39As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: “Filho de Davi, tem piedade de mim!” 40Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: 41“Que queres que eu faça por ti?” O cego respondeu: “Senhor, eu quero enxergar de novo”. 42Jesus disse: “Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou”. 43No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e seguia Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus. 
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sábado, 17 de novembro de 2018

Homilia Dominical


“Ensinais o caminho da vida”

O Senhor está às portas
           A vida cristã está sempre em contínuo movimento: Corremos ao encontro de Cristo e Ele vem ao nosso encontro. Estar à porta quer nos indicar a necessidade de estarmos vigilantes. Vigilantes não é um vigia que fica parado controlando os outros, mas aquele que vigia sobre si mesmo para que suas atitudes não entrem por portas erradas. Na parábola das dez virgens, vemos que o importante é manter sempre a lâmpada da sabedoria acesa. Por isso cuida do óleo. Os porteiros vigiam para que o patrão não dê com a cara na porta. Estar vigilantes, como nos diz Paulo, é ter uma fé que age na caridade (Gl 5,6). Aquele que está para vir, não virá para condenar, mas para levar-nos com Ele. Por que nem os anjos nem Cristo sabem o dia em que o Filho virá? (Mc 13.32). Se vivermos com Ele, não precisamos saber a hora. Basta viver. Saber a hora não estimula a aproveitar frutuosamente a vida, mas simplesmente olhar para o relógio. Sempre encontramos profetas das desgraças anunciando que o fim está próximo porque os sinais são visíveis. Esses sinais estão no mundo desde a criação. Então não são eles. Santo Agostinho dizia que tinha medo de Jesus que passa. Podemos perder esse encontro. Jesus nos dá o Evangelho para ficar esperando. A oração da Missa diz: “Só teremos felicidade completa servindo a Vós, Criador de todas as coisas”. Rezamos no salmo: “Vós nos ensinais o caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delícia e alegria ao vosso lado (Sl 15).
Inimigos sob os pés
          Na carta aos Efésios aprendemos que Deus quer “recapitular todas as coisas em Cristo” (Ef 1,10). “E vai reconciliar por Ele e para Ele todos os seres, os da terra e os dos céus, realizando a paz pelo sangue da sua cruz” (Cl 1,20). Nós cremos que temos a verdade que o Evangelho nos ensinou. Por isso sabemos que o mundo tem como meta e como meio de salvação, o próprio Cristo. Tudo se dirige a Ele. É Nele que temos a vida e a salvação (Ef 1,7). Colocar seus inimigos sob seus pés é realizar a transformação do mundo para que tudo caminhe sob sua luz. Não se trata de uma atitude de dominação que não condiz com Jesus que se intitula de o Pastor (Jo 10,11). Vemos tantas realidades que estão em completa desarmonia com o mundo e com o ser humano. Levando aos homens o evangelho da paz e do amor estamos levando Jesus a “dominar com o amor” todas as realidades do mundo. Vivemos unidos no único sacrifício de Cristo, como nos ensina a carta aos Hebreus (Hb 10,12). Tudo o que fizermos está unido a Cristo. Por isso Ele nos transfere a obrigação de mudar as realidades do mundo para que Ele reine. A Igreja deve levar os fiéis a tomarem consciência do mal presente no mundo e a tomar atitudes concretas de mudança. Assim pode superar o que fere a pessoa, sobretudo os pobres.
Os sábios brilharão
           O caminho dos que viveram na sabedoria é brilhar junto com Deus porque ensinaram os caminhos da virtude. Grande mérito é ser evangelizador e educador. Levar para Deus é chegar mais perto Dele. Não se trata de um lugar, mas de um contato de pessoa a pessoa. Falamos em linguagem humana. O salmo ensina a atitude do orante que demonstra essa escolha fundamental que fazemos em nossa vida: “Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, meu destino está seguro em vossas mãos. Tenho sempre o Senhor antes os olhos, pois se o tenho a meu lado, não vacilo... vós me ensinais o caminho para a vida; junto a vós felicidade sem limites, delícia eterna e alegria ao vosso lado” (Sl 15).
Leituras: Daniel, 12,1-3; Salmo 15; Hebreus 10,11-14,18; Marcos 13,24-32
Ficha nº 1806 - Homilia do 33º Domingo Comum (18.11.18)


                                   Olha quem está chamando!

           Um toque de campainha é sempre um sobressalto. Quem será? A tentação de saber quem é, gera uma necessidade de abrir. Jesus está sempre batendo à porta de nossa vida. E a gente sempre se preocupa por saber o que Deus quer de nós. Pior quando não nos ligamos que a chamada é Dele.

           Jesus, ao prometer que vai voltar, criou uma expectativa. Mas... Como demora essa segunda vinda, já nem se pensa que Ele pode vir. Perde-se a chance de fazer uma vida que signifique para o mundo. Quando esperamos alguém, sempre damos uma melhorada no ambiente, mudamos a roupa, e escondemos o que desagrada. Assim também podemos melhorar muito quando colocamos nossa vida como espera que produza um mundo melhor,
Fonte - http://www.a12.com/reze-no-santuario/deus-conosco

Evangelho de hoje, domingo, 18/11/2018


Evangelho do dia - Mc 13,24-32
Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: 24“Naqueles dias, depois da grande tribulação, o sol vai se escurecer, e a lua não brilhará mais, 25as estrelas começarão a cair do céu e as forças do céu serão abaladas. 26Então vereis o Filho do Homem vindo nas nuvens com grande poder e glória. 27Ele enviará os anjos aos quatro cantos da terra e reunirá os eleitos de Deus, de uma extremidade à outra da terra.
28Aprendei, pois, da figueira esta parábola: quando seus ramos ficam verdes e as folhas começam a brotar, sabeis que o verão está perto. 29Assim também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo, às portas.
30Em verdade vos digo, esta geração não passará até que tudo isto aconteça. 31O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. 32Quanto àquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai”. — Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Catequese Bíblico-Missionária
Estamos acabando mais um Ano Litúrgico. As leituras de hoje apontam para um futuro de esperança, no qual as forças do mal serão definitivamente derrotadas e a Luz de Deus triunfará.
Na Primeira Leitura, tirada do livro apocalíptico de Daniel, a força de Deus, simbolizada no arcanjo Miguel, protegerá o povo das angústias e das dificuldades. O povo será salvo e os justos, os que souberam perseverar na vivência dos mandamentos, serão como estrelas brilhantes no firmamento do céu. O Salmo de Meditação rejeita os reinos dos senhores da terra e agradece a Deus que aponta o caminho da vida. Também Jesus, no Evangelho de hoje, segue esta mesma reflexão. Ele diz que depois de um período de muita violência triunfará o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, de junto de Deus.
Como entender tanta violência? Até quando essas coisas deverão acontecer? Jesus manda observar a figueira. O que ele nos pede é atenção aos acontecimentos da história humana. Precisamos saber discernir os sinais dos tempos. Nossa missão é testemunhar nossa fé, sem desanimar diante das crises que buscam roubar nossa esperança. Temos que descobrir, para além dos fatos graves e violentos, o verdadeiro rosto de Deus. Este rosto se manifesta no próprio Jesus Ressuscitado.
Jesus é o símbolo de todos os momentos da vida humana. Ele também sofreu muito. A violência caiu pesadamente sobre ele. Mas Jesus venceu a violência e a morte, ressuscitando pelo poder de Deus. Essa é a nossa esperança! Como lembra a Carta aos Hebreus, Jesus mesmo se ofereceu em sacrifício e agora, por sua doação e coragem, está assentado à direita de Deus. Sua vitória é total. A Aliança chegou à sua plenitude.
Em 2016, o Papa Francisco, fechando o Ano da Misericórdia, instituiu no 33º Domingo do Tempo Comum o Dia Mundial do Pobre. Neste domingo, nossas Comunidades devem refletir sobre a pobreza de Cristo. Para o Papa, “a pobreza está no cerne do Evangelho e devemos tomar consciência de que não poderá haver justiça nem paz social enquanto Lázaro jazer à porta de nossas casas”. Lembrar dos pobres, dos migrantes, dos enfermos, ensina o Papa, é a melhor maneira de nos prepararmos para a Festa de Cristo Rei.

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters

Oração
Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
— Amém.
Fonte - http://www.a12.com/reze-no-santuario/deus-conosco