Confirmação de Presença

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

A fé abre os nossos olhos


Então, Jesus tocou nos olhos deles, dizendo: ‘Faça-se conforme a vossa fé’. E os olhos deles se abriram” (Mateus 9,29-30).
No Evangelho de hoje, dois cegos estão gritando a Jesus: “Filho de Davi, tem piedade de nós, da nossa cegueira porque não enxergamos”. Diante dos clamores e da insistência dos dois cegos, é Jesus que se volta a eles e pergunta: “Vocês acreditam e têm fé de que eu posso realizar tal coisa?”. E responderam com toda a intensidade da alma e do coração: “Senhor, nós cremos e acreditamos”, e Jesus disse: “Que se realize aquilo que a vossa fé acredita”.
A fé abriu os olhos daqueles dois homens; é isso que a fé realiza em nós. A fé abre os nossos olhos para que possamos enxergar a Jesus. Muitas vezes, vivemos no mundo e enxergamos tudo: problemas, dificuldades, crises, defeitos dos outros, mas não vemos a Jesus; vemos os problemas, mas não vemos as luzes, não enxergamos a graça. E aqueles cegos sem ver fisicamente, eles “viram” que Jesus podia curá-los, com os olhos da alma, olhos da fé, eles enxergavam o que nós, com nossos dois olhos, muitas vezes, não enxergamos.
Não enxergamos a graça de Deus, por isso, a fé produz esta grande cura: abrir os nossos olhos para enxergarmos a Jesus. A fé precisa sempre, em primeiro lugar, abrir os nossos olhos.
Infelizmente, estamos com os nossos olhos fechados ou ofuscados pelas buscas dos prazeres, dos bens materiais, dos nossos interesses egoístas e individualistas e, quando enxergamos a Deus, O enxergamos para que Ele nos sirva, para que sacie os nossos interesses e desejos egoístas.
Muitas vezes, as pessoas me perguntam: “Padre, por que Deus não me escuta?”. Deus escuta aquele que O enxerga e não aquele que só enxerga a si mesmo, Deus escuta aqueles que O buscam para encontrá-Lo e não para satisfazerem os seus interesses e necessidades pessoais.
A fé produz esta grande cura: abrir os nossos olhos para enxergarmos a Jesus
Para esses dois cegos do Evangelho, bastava que Jesus abrisse os seus olhos para que pudessem enxergar mais além, para que pudessem ir mais a fundo, porque, no meio daquela multidão, muitos não viam a Jesus.
Estamos no meio de muitas multidões, a multidão que vai para lá e para cá no trânsito da vida; as multidões que estão nas redes virtuais; as multidões que andam pelos caminhos e pelas estradas as quais passamos.
Não podemos ser mais um no meio da multidão, precisamos, no meio dessa multidão, enxergar a luz, enxergar a Jesus e a graça. Por isso, a minha súplica hoje é: “Senhor, que eu veja. Senhor, tem piedade de mim porque eu sou cego; só vejo o meu umbigo e as minhas necessidades; e não enxergo nem o irmão que está ao meu lado nem vejo a dor e o sofrimento do outro. Não vejo a luz, a direção, a seta que o Senhor, tantas vezes, coloca nas estradas da minha vida”.
Senhor, eu sou cego, tem piedade de mim, que a fé abra os meus olhos, para que possa Te enxergar.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário