Sorteio

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Somos convidados para o grande banquete da vida


Pois eu vos digo: Nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete” (Lucas 14,24).
Que sentença dura é essa que Jesus dá, hoje, no Evangelho. Na verdade, é a sentença do patrão que mandou os empregados convidarem os convivas para as festas e esses começaram a dar uma desculpa, cada um começou a mostrar que tinha outras ocupações e não poderiam responder ao convite do patrão. Por isso, o patrão mandou chamar outros, mandou chamar aqueles que estavam nas praças, nas ruas, os pobres, os aleijados, os cegos, os coxos para que participassem do banquete que ele preparou.
Os verdadeiros convidados, os primeiros convidados, os que foram agraciados não levaram na devida importância a graça do convite e do chamado porque estavam demasiadamente ocupados.
Pessoas egoístas e individualistas geralmente são assim, elas estão demasiadamente ocupadas em seus negócios, trabalhos e em sua vida.
Muitas vezes, eu vejo que os pais não têm tempo para os seus filhos; os casais não têm tempo um para o outro, estão ocupados demais consigo, com suas coisas e com seu mundo.
Precisamos, no mínimo, uma vez por semana, aproximarmo-nos da Eucaristia, o grande banquete da vida
Olhamos para nós, servidores de Deus, convidados para o banquete celeste, estamos demasiadamente ocupados para as coisas de Deus. Eu sei que, na vida, temos as obrigações, compromissos e responsabilidades. E que maravilha é, de fato, nos ocuparmos com aquilo que são as nossas obrigações! Mas é preciso cuidar para não desprezar. É preciso cuidar para não perdermos o foco do essencial. É Jesus quem nos chama e nos convida, por isso, não podemos abrir mão de algumas coisas.
Não podemos abrir mão do banquete eucarístico, precisamos, no mínimo, uma vez por semana, nos aproximarmos da Eucaristia, o grande banquete da vida. Não podemos abrir mão da Palavra de Deus, não podemos dar aquelas desculpas esfarrapadas que estamos cansados e trabalhando muito e não nos voltamos diariamente para meditar a Palavra de Deus.
Não podemos abrir mão da nossa oração pessoal. Poderia ir para as outras esferas: um casal não pode abrir mão da sua oração conjugal, os pais não podem abrirem mão de orarem com seus filhos. Cada um, nas suas situações, não pode ir se ocupando de outras coisas que não seja ocupar-se, primeiro, do essencial.
Aquele que ama a Deus, ocupa-se de Deus e deixa Ele ocupar um lugar essencial na sua vida e no seu coração.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário