Sorteio

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Celebremos a vida nova de Deus em nós


HOMILIA DO DIA

Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, naqueles dias, eles jejuarão” (Lucas 5,35).
Os fariseus e os mestres da Lei estavam incomodados porque os discípulos de João jejuavam, faziam penitência; enquanto que os discípulos de Jesus não os faziam. Jesus proclamava: “Como pode o noivo estar presente no casamento e a pessoa estar lá com ar sombrio, triste, fazendo jejum, quando o momento é de festa?” (cf. Lucas 5,34).
A Palavra de Deus está nos dando discernimento para entendermos que, na vida e na fé, há um tempo para cada coisa; e, cada coisa, precisa ser vivida no seu tempo e de forma intensa.
Se, hoje, estamos celebrando a presença de Deus entre nós, não há porque nos entristecermos; não há porque nos penitenciarmos, não há porque jejuarmos, pois, agora, é hora de festejar e de celebrar.
Não podemos transformar o domingo, dia do Senhor, num dia penitente. Precisamos transformar o dia do Senhor no dia d’Ele, porque o Cristo vivo está no meio de nós, o Cristo ressuscitado tem de ser aclamado e celebrado com todo o amor do nosso coração.
Dias virão em que celebraremos a Paixão e a Morte do Senhor. Há dias que nós determinamos a nossa própria vida. A Igreja determina, por exemplo, que, nas sextas-feiras, em memória da Paixão do Senhor, nos dediquemos mais à penitência, ao jejum sóbrio, mas que os façamos.
Com a mesma intensidade que vivemos penitências e jejum, precisamos celebrar a vida nova de Deus em nós
Não podemos simplesmente achar que a força da penitência e do jejum resolvam todas as coisas. Com a mesma intensidade que precisamos viver penitências, praticar o jejum, nós também, precisamos celebrar a vida nova de Deus em nós. Isso é sobriedade, discernimento e vida plena de Deus em nós.
Há dias que precisamos chorar e lamentar pela pessoa que faleceu, o que não podemos é transformar a vida inteira num velório. Há o momento de chorar, mas há o momento de levantar a cabeça e se reerguer. Há os momentos em que estamos muito alegres, mas não podemos ficar alegres e celebrando o tempo inteiro. Precisamos parar, recolher, rever e assim por diante.
A graça de Deus é um vinho novo e faz novas todas as coisas. Precisamos de um novo coração, de uma nova mentalidade para acolher a novidade do Reino, porque, senão nos fechamos em nossos pensamentos, nos nossos sentimentos, nas nossas concepções de vida. “Nasci assim, vou morrer assim; penso assim, é assim que tem de ser”, desse modo, Deus não realiza o novo em nossa vida.
A graça nova, o vinho novo chegaram até nós, por isso, os acolhamos com todo o amor; silenciemos quando é preciso silenciar; façamos jejum quando é preciso fazer jejum; mas é importante ter sempre um coração novo para acolher o novo de Deus.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário