Sorteio

sábado, 5 de maio de 2018

Homilia Dominical


“O único mandamento”

Um Reino aberto a todos
            A primeira leitura da liturgia deste 6º Domingo da Páscoa é forte como a retirada da pedra que fechava o túmulo de Jesus. Essa foi movimentada por mãos de anjos. A pedra que impedia os pagãos de chegarem ao Evangelho foi retirada pelo Espírito Santo. O texto é mais amplo e conta a visão de Pedro, na qual Deus declarando que todos os alimentos são puros, ensina que também os pagãos são destinados à salvação. Pedro e os fiéis, de origem judaica, viram a ação do Espírito Santo nos pagãos, antes do batismo. Com sabedoria reconhecem que não se pode negar o Batismo a quem Deus não negou o Espírito Santo antes do Batismo. Esse acontecimento confirma a salvação para todos os povos. O Senhor fez conhecer a salvação e revelou sua justiça às nações. Ser Reino aberto a todos não significa somente que todos podem participar do Reino, mas também que o Reino está aberto às culturas de todos os povos. Não precisava ser judeu para acolher o Evangelho. Nós somos descendentes desses povos novos pagãos que acolheram o alegre anúncio. A bem dizer que, desde o início vemos crescer o número dos pagãos que acolhem o Evangelho e o anunciam com vigor. Que não falte agora a capacidade de acolher as “riquezas dos povos”, como nos ensina o Concílio Vaticano II sobre a atividade missionária da Igreja no documento Ad Gentes, nº 10 e 22. É o maravilhoso intercâmbio. A imposição de uma cultura sobre o Evangelho é negar a ação do Espírito Santo.
Espírito fonte do amor
            Jesus é movido pelo Espírito Santo. Agora o Espírito abre os corações ao Reino de Deus como abriu o de Jesus, para construir o mundo, ter nas mãos o projeto de Deus. Deus é para todos. Não para um grupo especifico. A Ressurreição de Jesus não é um acontecimento de sacristia. Em campo aberto tira todos os empecilhos para que a notícia chegue aos confins do Universo. É a força do Espírito que impele a levar adiante a energia Divina do amor. Por isso Jesus insiste: “Permanecei no meu amor” (Jo 15,10). O amor que recebemos de Jesus é o mesmo que recebe do Pai. É um amor doação: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá sua vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que vos mando”. O que o Pai manda? “Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros” (Jo 15,13-17). Nesse amor temos o conhecimento de Deus e como Ele ama. O amor do Pai é o mesmo do Filho: amor de doação: “Foi assim que se manifestou o amor de Deus entre nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio Dele”. O amor que possuímos é o próprio amor de Deus e seu modo de amar que estão em nós: “Não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele que nos amou e enviou seu Filho como vítima de reparação pelos nossos pecados” (1Jo 4,10).
O Amor, vida do Reino
Rezamos na oração: “Nossa vida corresponda aos mistérios que celebramos. E mais ainda, é fruto do sacramento pascal que nos dá sua força salutar (Pós comunhão). Toda a celebração tem a dimensão da fé e da ação no dia a dia, se não é morta. A vida se fará pelo conhecimento de Deus através do amor: “O amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece Deus... pois Deus é amor” (1Jo 4,7-8). Guardar os mandamentos é a garantia do amor. O amor produz frutos: “Eu vos escolhi e vos designei para irdes e produzirdes frutos e o vosso fruto permaneça. Então o que pedirdes ao Pai em meu nome Ele vos concederá” (Jo 15,16). Produzir frutos é amar.
Leituras: Atos 10,25-26.35.44-48; Salmo 97; 1João 4,7-10João 15,9-17;
                                         
  1. O Reino de Deus é oferecido a todos, pois quem age é o Espírito.
  2. O amor que recebemos de Jesus é o mesmo que o Pai lhe tem.
  3. Guardar os mandamentos é garantia do amor do Pai.

O amor tem nome e sobrenome

            Conjugando o verbo amar, atingimos sua capacidade infinita, pois se identifica com o próprio Deus que é amor: Amei, amarei, amando, amo etc. Que beleza e que riqueza! Amar só tem um jeito: todos os jeitos. Não há onde o amor não caiba.
            Amamos com palavras, com o silêncio, com os olhos, com o corpo ou na dedicação. Amor não tem idade. O amor não tem dor. O amor não tem nada nem precisa de nada, pois tem tudo.
            Temos medo de amar e sermos amados. Somos uma raça de gente fria, sem sentimento. Quem não ama não conheceu a Deus porque Deus é amor. A Igreja, quando morrer em algum lugar, podemos ter certeza que foi porque deixou de amar.
Ademais, precisamos deixar nossas hipocrisias, por exemplo, quando expressamos nosso amor a Deus, e não amamos nossos irmãos. É um contraditório expressar amor a Deus que não vemos, e não amar nossos irmãos que convivem conosco no trabalho, na igreja, em nossa comunidade, em nossa família.
Fonte - http://www.a12.com/reze-no-santuario/deus-conosco

Nenhum comentário:

Postar um comentário