Centenário da Arquidiocese de Maceió

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Jesus é solidário com o nosso choro

O choro de Jesus por Jerusalém é o mesmo de muitas mães pelos filhos. É o choro de muitas mulheres pelos seus casamentos
“Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar” (Lucas 19, 41).
Jesus amava Jerusalém, a sua cidade, Ele nasceu ali. Veja bem, Jerusalém foi a cidade construída pelo rei Davi, é o centro da fé de toda Israel. É onde está o templo, a imagem da Jerusalém Celeste.
Jesus amou sua cidade, mas não refiro aos prédios, edifícios, mas o Seu povo, os que ali vivem. Jerusalém com tudo o que era: com o povo, os governantes, chefes, líderes religiosos, e esses (os líderes) não foram capazes de acolher Jesus.
Se Jesus veio para apresentar a salvação a partir de Jerusalém, a cidade não O reconheceu, desprezou e matou o seu Rei, o seu Senhor.
O choro de Jesus por Jerusalém é o mesmo de muitas mães, que choram pelos seus filhos. É o choro de muitas mulheres pelos seus casamentos. É o choro de muitos de nós, quando investimos nossas vidas na evangelização, no bem e, frustramo-nos com aquilo que fazemos. Pois, não colhemos os melhores resultados.
Somos solidários com o choro de Jesus, e Ele é solidário com o nosso choro, com o clamor de muitos de nós: a mãe que sofre, o outro que passa por uma situação difícil na vida, aquele que sofre porque investiu a sua vida num relacionamento e frustrou-se, desgostou-se com aquilo.
Não somos os únicos frustrados no mundo; a decepção também faz parte da vida. O que depender do outro, compete somente a ele. Na vida a dois, a mulher dá tudo de si, e para dizer que não estou olhando somente para o lado das mulheres, às vezes, o homem dá tudo de si, mas se a outra parte não corresponde, fazer o quê?
Os pais dão o melhor de si, na criação dos filhos; esses crescem e, depois, tomam outro caminho. O que fazer? Não podemos ter medo ou receio de chorar ou lamentar diante das frustrações que temos na vida.
O Jesus que chorou e se frustrou diante de Sua cidade, porque ela não reconheceu o tempo da visita de Deus, é também,o choro que temos de ter quando não reconhecemos, não acolhemos as visitas que Deus faz em nossa vida.
Jesus foi consolado pelo Pai, ainda que tenha experimentado o féu mais amargo, a amargura da cruz, Ele teve todo o consolo de vida. Sejamos consolo, conforto e presença de Deus diante das agonias que muitos enfrentam, diante das circunstâncias da vida que não deram certo ou que causaram frustração.
Deus abençoe você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário